MANIFESTOS
























1ª  Rascunho

A arte tem erros. Sim baseia-se neles. Erros que passam a ser visíveis e engolidos a todas as horas, minutos e segundos.
O artista é a realidade do seu desenho, das suas pinturas, da sua arte – é seu mundo. Neste MANIFESTO DO ERRO é o graffitti que vai divulgar como e onde começam e acabam os erros.
Em aulas de desenho percebo quanto mais vazio está o papel mais puro é. O desenho é puro? Os erros familiarizam-se a cada minuto que passa, se pretendes construir a tua realidade com a ARTE? Vão te surgir os erros, o erro tem capacidades na consciência do indivíduo, capacidades essas que são únicas. Só passam a ser colectivos quando são expostos à sociedade, depois de sair do pensamento para o desenho.
Como tal, o pensamento está a abarrotar de erros que correspondem a uma realidade suja e crua. É com estes erros que a arte é livre, está intrínseca nos costumes e estes, nitidamente, têm erros. A moral é masturbada por nós: os homens do desenho.
O erro da vida, o graffitti, o erro de tentar criar a lógica de uma realidade, o erro da sedução, da gula, da luxúria, da traição, todos estes erros vão surgindo no pensamento, na nossa realidade e, por norma, ficam por ai, MAS FAZER ARTE TEM ESSE PODER.
O manifesto do erro.....
Perguntei à minha mãe, se DEUS existe?
A minha mãe respondeu - gosto muito de ti!
Eu disse - mãe não foi essa a pergunta que te fiz!
Ela disse – essa pergunta não existe!......
A comunicar não pensas no erro ele sai-te na perfeição, ás vezes nem precisas de ter imaginação, erro é não brincar como se faz o erro, para criar a perfeição. O teu lado perfeito é o teu sexo!!!
PENSA!!... Pinta, o sangue corre nas veias, pinta o nosso corpo, dá-nos cor e dor, faz chegar ao cérebro os sentimentos do homem – medo, amor, vergonha, vaidade e MUITO MAIS. Os adjectivos do erro estão vivos, há muitos que têm cor, passam no corpo e vão ao cérebro.......PENSA em acabar o que começaste a fazer!
O preço da vida de um artista, é dar erros. Criamos desenhos com monstros que choram e dão berros na cama (imaginaste-os?), crescidos e sem vergonha, adultos a quererem esconder-se de ti atrás de facas de cozinha. É um quadro torto onde todos os erros falam, somos nós mesmos os artistas, os homens imaginativos. O preço da vida é fazer o que se deixa mostrar e existe...
Finalizo o rascunho com a morte e o fim. Bebe rápido o tempo, assim podes apreciar a verdade de um graffitti de um computador e um ténis da nike na rua da faculdade de belas artes de LISBOA, na rua Ivenes! Vou discutir arte para o próximo rascunho, não se escondam ele sairá no próximo dia 28 de Fevereiro, na banca do correio electrónico ou através do blogue galeriadisney.blogspot.com, onde podem ler a memória descritiva do manifesto do erro. Vão perceber melhor do que EU próprio porque é que escrevo o rascunho e faço graffitti.
Quem escreve o rascunho?
PAULO RAMOS.
Quem vê os erros?
Diogo Morgado, Maria Petersen
Quem vai sofrer?
Um critico de arte.
Quem é a heroína?
A vida!


    2 º rascunho

                              Manifesto do erro
                              Manifesto do erro
                              Manifesto do erro
A arte é bom dia
                        Bom dia eu sou ARTISTA
 A Arte, boa ou má, é uma comparaçao com o destino, entitulada como boa, má, errada, certa, nova ou velha. O destino (arte) centra-se no percurso de cada individuo que é definido por certas caracteristicas singulares, não se afastando do registo de copia (imitação)! Basta ter os olhos bem abertos para que as evidências sejam nitidas, transparencem como cristais: a  poesia, a escrita, o visual - é agua, prova já!

 A  comunicar é que nos entendemos, incluindo os que desconstroem o inverso  da alma (imagem sagrada) , para atingir a mensagem divina! – iconoclastas.
As etiquetas dos preços têm valores que se vão acumulando, para te valorizares perante este registo  acaricia-te a ti mesmo e BRILHA! As nossas imagens de nós próprios são o nosso preço,  a derradeira imagem é questionarem-se muitas vezes as  futilidades, que  até à primeira impressão não nos dizem nada, sao inuteis, não têm honra, não são honestas, não têm valor nem brilho. É duvidando do nada/vazio pictórico, o destino, que no tempo se revelam pedras preciosas. Não te castigues, tenta que o a tua dor seja menor,  divulga-te lentamente como se crescesses num espaço idoleterado , assimila lentamente que a arte é boa ou má, nada mais.

(Imagens visual + H  = é  mortal)                                             (imagem + H = diálogo )                                                                  (imagem + H = pictórico)   
(......... + mão de obra = verdade)                                                       (......... + mao de obra = falso)                                                  (......... + mao de obra = arte)
 1º verdade                                                                                     2º falso                                                                                                 3º O homem
O Homem, das matematicas aplicadas diz:
 1- o fumo que está aqui é prejudicial para a saúde! Olhamos de alto a baixo o homem e de facto ele tem razão no que afirma, e pensamos que não é preciso ser cientista para ver que o fumo que está ao nosso redor é prejudicial à saúde.
 2-  Aplica esta informação á cabeça de um artista :
 Os homens e o espaço, a atmosfera criada, a ausência de luz  é provocada pelo fumo que se encontra no espaço. Possivelmente tem pouca cor, o fumo é a vida  de uma passa na atmosfera, é um todo, a soma de todas as partículas:  fumo, luz e o cientista das matemáticas aplicadas.
3- O juizo final: o homem
o homem é que dita a sua sentenca, descreve e simula a sua velocidade,  corre em direcção à moral. Há sete a corrigir, desmarca-te das decisões das massas, eles têm perdas constantes de personalidade, registos mal elaborados, esquemas trincados, embalagens  de valor acrescentado e edições limitada. Interessante é conseguires a tua atmosfera do EU: personalidade com fumo e amor.
Os homens têm muito músculo cerebral, não são sacos de pastilhas singulares trincadas, cuspidelas  materialistas, diversidade e dinamismo no que deve pertecer a ti próprio, compreensão, amor próprio e outras particularidades tuas.
 No juízo final existe: 1 a terra, 2 o céu, 3 o inferno.
1-   a arte é a nossa sentença  
2-   o cérebro é que decide 
3-   a arte é a verdade





 vida pictórica
O que está feito está feito, é palpavel, tem existência. Cabe-nos tratar bem o que está feito e existe. Porque o que está feito está anunciado por mim por ti e pelos outros. Qual é o lugar da outra existência pictórica? É questionar a verdade.
Eles fizeram e sofreram (digo eu), podem vir a desaparecer aos nossos olhos as 21 gramas de tinta, é um tormento angustiante! Com este ideal a vida pictorica só esbate a cor, nada de tormento, à que julgar  e analizar a existência pictórica que nos agrada, como as portas das igrejas agradam aos mendigos.
A vida é formar o cantinho  bem sucedido economicamente, ter o indespensável, como as vantagens financeiras. Devemos ter coisas que nos comunicam com uma linguagem de necessidade. Isto tudo é dar a volta, passar por cima, renovar e lavar o que nos pode oferecer o sentido de  viver como as flores precisam de água, a  arte precisa de vida humanas e a terra do vaso é farta  de vidas. A produção sexual é delirante, de tanto acariciar ejaculas e crias vida: um filho santo, dizes esta é a minha peregrinação, a minha crença está na minha cria. A vida pictórica é isso mesmo. Eu sou o progenitor. Faço elegância , absurdo, rejeitado, incompreendido. A metafísica pictórica: fazer é um princípio, ajudar é outro princípio e ensinar é outro.      123 pede a benção!
                      Corpus  pictoricus! 
Fuck you


                    fuck you                        

                                          fuck you
 
Adão e Eva neste manifesto passam a ser arte. O Homem!  O erro mexe-se, vende-se, palavras em detergentes multiplicas os bárbaros políticos, os  bárbaros maus polícias, os bárbaros  corruptos  corruptos, logo aí desliza a tua capa de super herói, formatada e triturada em dejecto.
A Deusa Nike tem uma estética negra, um conceito físico de vitória. Rasgar as revistas de moda. Devemos  andar com um espelho quando folheamos uma revista de moda e colocar o espelho à frente das imagens. A imagem muda pois o modelo o reflexo: o que pensas de ti e a outra imagem que derrete como uma vela, logo surge um santo que se alimenta todos os dias e queres  ver uma pequena luz ao fundo de um quadro com figuras belas.
Vontade é o que pode mexer o espaco e passar a ser um corpo pictórico  quando o reconhecerem como tal. Preza o viril e faz gritos que soem bem como o ronronar de uma gata com o cio! Estrondoso, estremece os vidros das janelas que possuimos como bens. Bravo! A gata é selvagem, inquietante e imprevista. O melhor é começares a abanar os vidros para passarem a ser de alguém que vive e olha por ali.
     Vidro, quadro e moldura,  o mundo real! Se precisares de alguma coisa vai ver o que se passa através das cicratizes do vidro da tua janela e logo verás o que de bom temos e como somos luminosos, o simples pigmento que preenche a tela, a cor é a TUA e basta! E isso é o pouco de tudo o que a arte vai engolindo. Cresce outra imagem, com outros pigmentos e isto, milhares de vezes, faz circular o  corpo, a mente, a vida pictórica.
Corpos vivem em tempos reais mas em espaços diferentes, nao te esqueças que tens que trabalhar com o teu corpo.





Preciso de tintas para preencher uma tela gigante  que mede o nosso comprimento!!!! Cânone certo.
  pictórico + corpos = cânones diferentes 
                                  

  a tela
gigante
 mede o nosso
 comprimento............manifesto do erro
 Obrigado por terem chegado ao fim do 2ºrascunho.
 Uma nota final: o graffitti que acompanha  este 2ª rascunho  vai ser feito por  uma pessoa encontrada na rua, escolhida  aleatoriamente para fazer o graffitti.
Eu o artista só vou pôr a marca da nike no graffitti.


o proximo rascunho sai dia 29 de Abril
Quem escreve ?
o computador
Quem corrige os erros ?
o sistema operativo
Quem vai sofrer?
O homem desprevenido
Quem  é heroina ?
a grama de pó

Bom dia é como dizer ­­­arte...
 
                                               3ª RASCUNHO

A noite cai , como todos os dias ! manifesto do erro !
Que  pensamento tão poetico! MANIFESTO DO ERRO
 Deslumbra alguns menos devotos em dar asa a nos próprios. MANIFESTO DO ERRO
 Tentar perceber  o que é bonito ? MANIFESTO DO ERRO
 É o conhecimento ou a poesia.MANIFESTO DO ERRO
São destas coisas que vem  do acaso e não têm sempre uma resposta certa e não interessa nada saber  o que pode estar certo, talvez um dia eu gostasse de saber qual a minha verdadeira necessidade o conhecimento do empirismo, assunto que toca a alguns galegos e como se deve abordar uma consciência desprevenida e sem rumo.
 O conhecimento vais adequirindo com os erros, certo disso estou, grandes passos que a humanidade já viu tem haver com os erros, com todas as possiblidades que podem e garatem  encharcar a nossa perfeição do conhecimento: Ficamos  EM dois pontos o que podemos saber? o exacto é certo no (imaginário),qual é  a (dúvida) não existe, passando em  alguns minutos espera lá isso está escabular no sentido errado, )o meu conhecimento diz me que não é certo o que estás a dizer, isto tudo para dizer que o conhecimento vem de nós o nosso imaginário , o saber é intrínseco ao adaptar-se das necessidades de cada individuo, eu cartier vou à cozinha comer umas bolachas, logo o meu cérebro tem o conhecimento que o meu estômago está vazio, essa é a base para aperfeiçoar o que devemos fazer ou conhecer, a busca da excitação leva a conhecer melhor as coisas quanto mais adrenalina o nosso corpo tiver como adequirido mais loge vamos,(gosto). Talvez haja prai umas interpretações erradas mas não te deixes abalar com essa ideia, ande alguém  olhar para ti e dizer que estás errar se tu próprio não percebes o teu erro vamos deixar que outros comuniquem connosco, logo será mais fácil viver com todos os erros.
 Nao estamos certos de nada uma das coisas que acho que se pode julgar o gosto .........o bonito essa discussão está guardada em ti se és preto fica melhor o branco se és branco fica melhor o preto gosto não deve ser muito julgado em função do conhecimento ele próprio a única coisa que nos pede é que conheças as tuas possibilidades e  alargues a tua potencialidade que verás alguma coisa excitante na tua pele distante da linguagens do conhecimento pictórico, o pintor só sabe do que adequeriuo do conhecimento é depois fazer a obra de arte, é como dizer bom dia eu sou atista , são as formas de pôr o imaginário no ar recalcado por outros imaginários intrevindo no  leque das ideias que são gratuitas e tu precisas desse imaginário do conhecimento . EU QUERO SABER COMO O PINTOR FEZ AQUELE QUADRO ?
RESPOSTA..........VAI PERGUNTAR AO PINTOR! O PINTOR MORREU ! ENTÃO FAZ LHE UMA HOMENAGEM , QUAL A VANTAGEM DE SABER, É VIVER COM AS IMPRESSÕES QUE GOSTAMOS DE REALIZAR , FAZ TE VERDadeiRO E IMAGINA A TUA OBRA  E PERGUNTA A TI MESMO PORQUE É QUE FIZ ESTE QUADRO ! QUE BELA RESPOSTA DE  UMA PESSOA MORTA  !É O CONHECIMENTO , PERGUNTA A TI MESMO PORQUE FIZ ISTO LOGO TERÁS  O CONHECIMENTO DA VERDADE E DA MENTIRA PICTÓRICA
GOSTO DE ESCREVER PICTÓRICO PORQuE SINTO QUE ESTOU A ESCREVER  UMA PALAVRA BONITA, SOA BEM AO MEU OUVIDO QUE VÊ ARTE ESPALHADA PELA AS CORDAS VOCAIS ,
SAO VARIAVELMENTE BEM DITAS na FORNALHA DA CHAMINÉ DE UM LAR QUE  ESTÁ REPOUSAR PRESTÍGIO DO VITORIOSO(O FIM), VOU DEBOLIAR AS BELAS CASINHAS DE FOrNAS PARA O FIM FELIZ...

O ESPACO DE uma VERDADE NO CONHECIMENTO.. É a  Tolerância  no   que nos deixa  em estado de nervos voltar a respirar e   pedir que exista outra coisas melhores , que vem no poder dito como consciemto do metal é  preparaçao de reneascer uma dia a pos outro, como podem ver numa experiencia que faço!a garras em duas peças de fruta e deixas que-lhes deixe passar alguns dias contingo, vais notar as mudanças , em velhecimento de causa naturais com  um cheiro abundante a fruta podre.  È um bom exemplo que a verdade vem sempre ao de cima, o podre nao é um erro é uma verdade, vamos ao podre para ver que os homens tem como devontas as verdades que estão podres e a relação do  podre é sem duvida o conceito que da uma invariavel de noçõeis erradas, como por exmplo: o agarrado esta enrrado de se drogar mas o podre é a droga, faço esta questõ urgente a REFLEXÃO DO PODRE NO MANIFESTO DO ERRO,
Como tem vindo ser o habito deste manifesto é passo a passo é que é  urgente, ganho o tempo de pois de perde tempo , logo ao perde o tempo a dizer alguma coisa é podre, nao cagas as outra pessoas com coisa podres se falares do podre em primeiro estas a perder tempo em demasia , fala dos erros que podes a vir acometer se  fizer o que mais gostas de fazer é a alma do erro ,  ficara  destante do podre., confenço o erro ou a duvida que ficaras destante do podre, custas mais cair uma verdade absluta do que uma conclusão. - nas artes do homem artista a tolerancia para questois infeneros é bastante inportante, nao digas é frase feita. á coisa que deves levar a serio , se queres perceber porque vai ao teu encontro uma obra de um artista,............. Tem   tolerencia no tempo e no espaço ......

Vamos para questoes finais deste rascunho
 O FINAL, é inportante para nos os homemes perder as vezes as conscieças racionais, faz de forte o lado animal , os elefantes passam a vida reconhecer os ossos dos seu familiares isso é dar menos inportancia ao fimal , a  nossa imaginaçao nao tem o final , ela passa o tempo a reconhecer as ideias do nosso ser, faz disso que o final vive bem perto de nos, á nossa imaginaçao é que tem o final ate- la nao há final, passamos a outra faze, contribuir atributos aos ossos isso é uma forma de ver arte, não tem como final não há um final para nelhuma obra ,mas sim um destinno... o destino do final berra perde com o pecado berra sem que o final seja tao inportante  para ti, mas sim o destino que das ao final , a tua imaginaçao é como as dos elefantes nao tem final mas sim fim
Fim 
     Carier ´  é poetico nao entrassa para nada o que entressa é ,  o conhecimento do nosso saber, estava a brincar ainda nao é o fim, que riso tenho que falar da Poesia do Conhecimento, talvés tenha que refleitr sobre um erro para ele mudar de cor, nao ficar podre. Um poema falas das coisas que vem por lá as cabalhotas dar tacto diferente as coisa que são iguais as outras, essa  é a inpressao que em ler o que tenho lindo como gosto ver o que é um poema para mim é simplesmente dar outra vida uma coisa que existe NO TEMPO. ,depois sim é bem inportante falar sobre ele o que tiramos do poema sao  erros do conhecimento, ou talvéz ceja essa a subestancia que precisamos para ir dar poesia ao conhecimento do poetico. nesta versao. é bem inportante separa as aguas a poesia e a nossa  poesia, deixas as vidas mas o nosso conhecimento nao é a vidas da poesia mas sim a vida do nosso proximo que nos leva a ser poetico talvaz a salvaçao da humanidade tenha que seguir este prencipio que uma amizade o amor todos os sentimentos carnais sao idubitalvemnte proximos do que vamos defeder como poetico  tem que ser poetica. iVIva ao slogan que ouvi na manifestaçao do 1  de Maio em Lisboa se querem trabalhos precarios , vamos ser rebeldes , que maneira de dar poesia a vida, contrariar os erros com rebeldia  ai pode entrar chave da poesia
                                                    fimmmmmmmmm.
Homenagem aos reeldes trabalhadores portuguese, ajudaram a preceber que um dos mues prencipios é ser rebelde para fugir ao fim .
 Este grafitti tem nome liberté!
É inportante ver o grafitt ! imaginação
Obrigado pela vossa leitura do que escrevo em paginas sem fim nem de noite nem de dia nao há um fim para tua liberdade criativa mas sim o final.
Quem escreve ?
 O Erro
Quem corrige ?
O conhecimento
Quem sofre ?
Os destraidos
Quem é a  heroina?
O amor

                                                4ª RASCUNHO
Quem conhece o limite da vida ?
O manifesto do erro percebe que nao hà limites emocionais, se o  presente é triste o futuro não será muito risonho! Fazem-se breves comentários no manifesto do erro.
Emoções à flor da pele por ler pequenos trechos .
Isolar faz parte de qualquer profissão , quem cresce e quer gritar como a multidão vive isolado.
 4 rascunho
Profissão liberdade. O próximo   é uma manifestação, varias pessoas vão escrever no manifesto do erro ....
Sentir-se intimidado faz bem ao erro, sabem porque digo  esta afirmação ! O centro da verdade do espírito que sabe  o que é desconhecido esta sempre pronto para afirma  uma verdade do que tem ou sabe o que querer  dizer, não  como se fosse dar conversa à  entidade patronal ,  por esse meio  estás  tramado , a arte não pode nem tentar ir por ai, mas pode manifestar essa verdade à cara podre,  são  acções  diferentes.  Erro Cartier , erro Maria Pertense ,  erro David Negrão  , erro Diogo Morgado , erro Youenn etc ... são espíritos que me intimidão , estes seres  não sao apóstolos mas essas pessoas são os meus apóstolos,  intimidão a minha criatividade com  a  moral  que  eu gosto. É  vantajoso receber o que é de todos e não só por um,  condicionado por um não! A  credibilidade que uma moral merece, os reis que dão tudo por todos é a ética que faz com que o erro precise de encurralar-se com os apóstolos .  Sair do erro virgem não tem grande veracidade,  pode ser esta  a grande falha da globalização, é que a moral não é globalização,  são valores diferentes no mesmo pasto!          Merda não tenho hora de almoço
A vaca francesa come o mesmo  humor que a vaca portuguesa, mas come em horas diferentes,  é um atraso com má disciplina, podes comer uma  vaca francesa no pasto português , isto quer dizer,  come o que é nosso em França depois de conhecer os franceses ,  aprende  com os outros ! Faz uma pintura  a  intimidar a tua vaca, manifesta-te com palavras de animais, com o erro aprendes !. ...........amor erro, heroína erro, conhecimento  erro, erro erro e  críticos de arte erro,  isto é intimidar-me a mim, intimidar mesmo o que faço sem medo, não tenho medo de intimidar mas tenho medo de ser intimidado pelos outros, pois se fosse vaca talvez não tivesse medo de ser intimidado    ( o meu quadro, uma vaca, uma arma, e  um A de Anarquia )
 CHEIO DE ARMAS NA PAREDE e uma vaca no pasto , espero que não saia balas porque não é isso que quero representar,  é simbólico as armas , mas confesso por brincadeira com uma arma chamada revolver intimidei-me a mim mesmo e não pensei em suicídio.. a  consciencia do medo de perder o valor, uma  moral, e uma  vida ! Não me esqueço  deste episódio o  meu pai tinha o revolver no quarto, então não é que descobri o revolver! Sempre que convidava amigos mais próximos  a minha casa, tinha a mania de apontar a arma e assustar o pessoal , mas houve uma vez que fiz tal e qual  o que já tinha feito anteriormente, mas com balas,  foda-se a minha consciência (e derramado  lágrimas na cor da  flor)  cresce tão rápido que assusta, desatei a chorar quando eles bazaram. O pior foi perceber que para intimidar os outros é preciso ter coragem, muita coragem,  chorava de medo se eles o soubessem! Colocar  vidas  em perigo para meu belo  prazer (o meu quadro uma vaca na cerca) nunca mais, disse eu para mim, isto já é loucura , o engraçado quando vi o  revolver pela última vez  é que estava cheio de ferrugem, então pensei,  esta arma intimida o homem que vive as imagem , mas não intimida as ideias do homem , a ideia de  intimidar com arma é enrada , ferrugem diz tudo, se tu tens um objecto com ferrugem é porque não está a ser útil , mas se vê uma arma fica intimidado, arma limpa  pronta  a disparar  tem  função,  é como a arte,  tem função de intimidar, intimidar ! Olha que não é fácil de dizer isto, porque  na universidade de belas artes aprendes que a arte não tem uma função,  sei através de amigos que andaram lá a estudar , eles próprios não sabem o que dizem.  Tudo é resolvido com um  revolver, para mim a arte tem uma função estética,  nítida,  digo isto como se  tivesse de comer um bife de vaca em trabalhos forçados,  arte tem uma função,  vai combater a ignorância da multidão . Esta pequena historia é verídica, mas infelizmente,  da minha parte, quando eu tivera coragem, conto às pessoas que foram o alvo psicológico , desde puto a fazer asneira para ser artista , eu sou artista em qualquer idade.
Eu sou artista em qualquer idade
 Em qualquer idade
Arte é importante
Ver arte é combater a tua própria ignorância
Eu só ignorante  com a multidão
Vejo arte sem multidão

Multidão de homens desviam-se do  grande combate ,   muitos deles  ao serem intimidados reagem em devaneios de agressividade,  combates físicos  ocasionais ( o meu quadro, a vaca a comer pasto natural) ou A INTIMIDAÇÃO FÍSICA em grande escala  é um aquário de peixes com elefantes, a intimidação cerebral  é transparente, é bastante importante para o nosso dia ser preto,  como disse no primeiro paragrafo, quem  grita como a multidão, de certo que nunca foi intimidado,  é de  ficar a remoer com os neurónios encravados no deposito vermelho  ( o meu quadro, a vaca deitada depois de comer !!sonho de bolinha vermelha) , alma  tem que dar o erro ao mundo e não camuflar em grandes obras de gosto. O espírito revela-se  sem problemas.  Não podes pensar em dizer que vai ser fácil revelar o que gostas,  não é isso que estou a dizer , revelar basta ter um  rolo de uma maquina fotográfica, o que tu tens cá dentro não é osso, são noções despidas  que nos magoam,  a ignorância do homem! Ignorância do homem na multidão. Nós, os homens, somos inteligentes, há estudos que dizem que  o homem  é inteligente.  Em grupo perde sabedoria!(o meu quadro a vaca a  beber agua) Inteligência e sabedoria são duas palavras distintas: é importante perceber  a diferença. Querem um desenho? não porque são inteligentes , e sabedoria é o antagónico.  Já tens o desenho e a sabedoria do perceber , trocar isto por umas palavras de ancião,  a inteligência nasce connosco e a sabedoria vai-se adquirindo,  a multidão é bem cólera,  a palavra cólera aparece em muitos romances, será porque  todos nós percebemos que manifesta os sentimentos maus?  Eu gosto porque me dificulta as imagens que posso tira quando estou a ler a palavra cólera! Ando pelo lado perfeito e não sei o que é o sentimento .   
Não entendo o mal nem o bem, todos nós sabemos que devíamos estar prontos ou armados para nos defender do que é mau. Em certa parte é mau em termos sociais, ao adquirirmos as nossas defesas através das nossas armas, eventualmente matamos alguém. É complicado saber que, para  defender-mo-nos do que nos magoa temos que disparar  contra o que vimos.
A sabedoria é saber fazer  sem haver cólera....inteligência , sabedoria cólera....resumo como um herói momentos fanáticos e destruidores. Pedir inteligência é errado, os que cometem essa imprudência,  não adquiriram sabedoria nenhuma! Contar mais com os outros,  tirar a capa de super herói mesmo que isso te possa magoar.
 Rever o grande quadro Português “Painéis de São Vicente de Fora “ , um povo unido que fala com uma só voz, a despedida e agradecimentos ao santo, todos sem excepção agradecem ao santo, o rei, o arcebispo , o padre,  o povo,  o amor que o santo deu, as causas do homem viver em comunhão com os outros, de enriquecer o espírito é a sabedoria do quadro.  Está ai um  enriquecimento natural. O agradecimento é muito importante , quem viu o quadro entende que morrem as diferenças sociais , o que fica rico são os corpos, eles ajoelhados, em pé, sentados, deitados, têm sempre o poder de induzir-te a entender que é de bom coração.


Aprendi a gostar do quadro depois de o ver com a minha professora de história. Uma coisa via claramente, é constituído por painéis, por fatos vermelhos  e portugueses  em pose  de cerimónia, mas não entendi  que tem de bom o quadro,  os rostos de felicidade pelos outros, aprendi que pode ser bom em momentos de cólera! Em termos práticos,  o quadro vale pela sua força natural. Pálmas,  vou bater palmas à frente do espelho, quem quiser pode fazer o mesmo, essa expressão mágica e fantástica de atingir a glória é um agradecimento pelo infinito.........
é verdade o que escrevo  pouco têm de bom.....
volto a dizer, não escrevo bem, essa é talvez a verdade de todo o manifesto,  do que escreve com erros , este rascunho não vai ser corrigido nem pelo sistema, nem pela Maria, nem pelo raio que te parta , estou endurecido comigo mesmo, tenho de aniquilar o erro ou a moral do erro ....



depois  deste manifesto  vou  de ter que subir ao céu e perguntar  quem vai  fazer uma pergunta?...... a vontade de intimidar o divino é que pode gerar os sentimentos ? o animal merece morrer ,   cresce  a resposta que o encontro no divino é uma lixeira de sentimentos, havemos de encontrar o melhor , saber  esperar por ele,  custa muito  a vir mas não podemos esperar que o fácil adequira o teu fantástico , provavelmente o fácil é difícil de encontrar,  qualquer relação que tenhamos, o meu papel é ser integro na resposta da pergunta do perfeito defeito, desta versão ser racional é fantástico, (o meu quadro é  a vaca com a mãe, arma não existe, a bolinha vermelha passa a ser água e o  pasto leite)   
Vantagens,   pensamos na verdadeira consciência, imaginamos a resposta,  lavagem cerebral na pintura.  A  verdade da consciência intimida as pessoas que  tem e teimam em existir um lado  perfeito . O monumento, (o meu quadro uma vaca) é um espaço que deixa o silêncio em primeiro  lugar, que costuma fazer eco , é lixeira de pensamentos, lixo, lixo, as camadas de   tinta na porta do museu é o que chamo por lixo de sentimentos, muitos deles têm tantos que matam os mais fracos , têm a sua vantagem ,débil,  havemos  de encontrar  alguma cor. Uma cor é tudo o que chega para intimidar? resposta - azul e verde da vermelho, já sei, não é esta a cor, então não é  verdade que uma cor intimida a sabedoria?  É o que penso...
é o que penso...
quem  pinta com a verdade tem grandes desastres, querem melhor que isto para descobrir o  sentimento? .......pouco mais vou dizer ,o fim da linha é o horizonte....
 acabou o rascunho, as trincheiras  intimidarão.
Desculpem, falei de armas que podem matar
memoria descritiva do manifesto do erro está no blog... galeriadisney.blogspot.com
obrigado
cartier
.
                                 5ª RASCUNHO

Cuidado com as pessoas :
manifesto do erro.
Terrorismo puro, arte contemporânea .
Terrrorismo puro, 100% de capacidade humana.
Este rascunho tem varias particularidades, quem escreve são pessoas que conheço e
estimo a sua vida , não quero dizer que os sinto como seres perfeitos, até pelo contrario,
aproximei-me pelos defeitos, pedi a sua contribuição em riscos perceptíveis e uma
conclusão unica , 100% é nada e nada é 100%.
Basta avaliar os atentados do 11 de setembro de 2001 para perceber que nos foi dito
que era um atentado perfeito,( 100%) de êxito, atingirão como ninguem tinha
feito antes, a grande potência mundial, visto bem os acontecimentos deve estar
relacionado com a capacidade dos americanos atingirem os paises mais fracos, neste
preciso momento penso que 100% precisa de 0%, , 1%, 2% ou 3%, retira-se uma
conclusão os 100% nao é nada sem as outras percentagens, volto a dizer sem motivo de
preocupação, o que afirmo sem ver o meu lado ético (eu nao sou nada).
Entendo que estava na hora de dizer que na arte não há 100% de nada, simplesmente é
tudo de todos e todos são nada, francamente não se pode ver um artista sem ver um
mundo., Quem estimula uma idea, uma ética ou uma linguagem pictórica não tem força
interior para dizer que não é nada. O rascunho tinha de ser escrito por outros para
entender que não é nada de preocupante errar, a proximação dos objectos ou dos
acontecimentos ou das situações deixa-nos em estados de espírito diferentes, por isso
somos diferentes e fazemos muito melhor as coisas se assumirmos as diferenças.
Cartier é diferente do Jõao Gaspar
Sua grande besta? Frase amavel e verisiosa de amar o proximo. É uma pergunta!
O erro, na sua forma dissertável, apresenta-se bonito. Catita, diria. É a forma popular,
quase ucha. E popularucha, aqui, nada tem de pejorativo.
Este é o erro apontável.
Já o erro nobre, incontornável por natureza mas, talvez por isso, a todos os níveis
justificado e desresponsabilizante, dá asco.
Os erros da História.
Ainda que a História não erre, e sabêmo-lo.
Os erros do cosmos.
Não há uma só forma de estar perante um erro do cosmos.
Mas sabemos estar perante um, quando, por exemplo, um avião cai e mata os trezentos
passageiros a bordo. Não pelas ditas trezentas almas inocentes perdidas (inocentes de
quê?), mas porque a prestação de um serviço falhou. O bilhete foi pago. E se eu pagasse
um bilhete para me deslocar do ponto A para o ponto B, iria recusar-me morrer algures
num ponto intermédio.
Mas o cosmos não pede desculpas quando erra redondamente. Ainda que em linha recta.
Já o erro rasteiro, próximo, entranhado e quotidiano,merece, pede, e vai tendo, um
estudo. E um manifesto.
Haverá, talvez, uma posologia do erro, um modo de administração, seja por via oral,
escrita, etc., uma lista de contra-indicações e de efeitos secundaríssimos, mas o erro háde
estar presente e ninguém vai querer extinguí-lo. mesmo sendo recorrente e
vergonhoso.
Ainda que se sinta um impulso visceral de aplicar um par de chapadas no...
Chamemos-lhe Errante.
Chega.
Falar de modo leviano destas coisas é, manifestamente, um erro.
João Gaspar
Rouxinol proximo, a mim me encanta ,como ninguem o conseguiu fazer até então!
Cartier e João Gasper são diferente do Steven Silva
manifestas erros em tentar errar...e como diria o monsenhor cavaladas, durante a missa,
ao luar da verdade de deus, míssil dominical para controlar a populaça, os hereges e,
principalmente, os erráticos: não te faças parecer com um erro, porque o diabo,
eticamente, gosta de fazer novos amigos, e do erro ao inestético é como do aborto ao
pecado... quanto mais parecer q a distância entre ambos é justa, menos longe estás de
conseguir distância desse teu sempre novo inimigo, que, só porque quer q tu te pareças
com ele, até já se esqueceu que com deus isso também se passa...mas este não quer, nem
precisa de novas amizades (tem amigos eternos e gratos por todo o lado, usando sempre
o mesmo verbo, a mesma palavra, a mesma verdade...portanto todo o convertido não é
nunca diferente de outro qualquer que hoje siga abraçado a si, estejam mortos ou vivos
são da mesma fibra que os anjos) pois bastam-lhe as velhas: a ordem, a fé, e acima de
tudo a cruz que luz sem nunca parar e que encadeia as pessoas em cadeia (e quem não
quer ver é avestruz, ave rara ou caramelo da dissidência), sem nunca errar, sempre e
sempre para todo o eterno sempre, de deus para o homem de verdade, e deste para o
humano a sério, e deste para a humanidade sempre tão querida, e desta para o
humanismo deveras interessante e deste para a cultura democrática antecipadora da paz
natural no mundo e em áfrica, arte sempre nova de diálogo, semelhança e
comunhão....por tudo isto, vai à missa, corta a guedelha, compra umas cuecas e ofereceas
a alguém, demonstrando ao mesmo tempo a tua apetência pelas virgens e o teu
desdém para as comeres... unicamente para a lambidela do homem que se quer a si
mesmo como um homem temente de errar, aquele que em vez de botas lambe xotas de
gaja para não as intoxicar com as drogas e as artes da tesão -- ser membro da
comunidade, activamente a favor da existência de curros de freiras e de carros a bois:
enquanto q a elas serve para lhes sarares as feridas do prazer e da concumitância sexual,
a ti serve para do erro te afastares e das tendências afrodisiacas do punk te esqueceres.
Vivam os novos paladinos do certo concreto!!... precisamos de muitos mais cavalos
como o monsenhor!!...não faças do erro arte, faz antes da arte um erro!!
olha que se não fosse deus, jesus não era nada, ou melhor, nada mais seria que um erro,
um barbudo errático a ser lavado pelo seu primo errante (joão baptista), em vez da
beleza luminosa que ele hoje consegue ser, em vez do farol que cada uma das suas
miniaturas na cruz representam, em vez de servo e espírito do concreto cimento da
história e da religião... seria, hoje, apenas um erro-
Steven Silva
Doi –me tudo mesmo se gostasse de outra pessoa, stop de me queixar, a dor em 100% fazme
calafrios no olhar de gosto, a ressaca toma o seu gosto!
Cartier, João Gaspar e Steven Silva são
diferentes do Youenn Merdrignac, o mal
amado esteve sempre presente em toda a
estância, a simples diferença entre Lisboa e
Paris. O silêncio é sempre uma boa viagem,
não compreendo nada do que ele escreve, o
brilho da águia francesa desenha palavras a
contornar o erro, esta contribuição não tem
tradução esta escrito em françês, quem não
entede nada, há uma coisa a fazer, pode ser
façil de o dizer, vai aprender o que queres ver.

Youenn Merdrignac
Destes metros de palavras sem destino o mundo gira a volta de um gosto de um ser é sempre
bem vindo .
Cartier, João Gaspar, Steven Silva e Youenn Merdrignac são diferentes do Pedro al caos
Errei
Eu erro
Nuca acerto
Não preciso
E ao que vem
Desfocado
Ao passo deste passado
Numa inversão imprevisível
Dou-me por satisfeito
Quando as minhas palavras
Não me levam a nenhum lado
Não vos digo nuca a verdade
E a conclusão a que chego
Não lhe conheço a origem.
Cheguei ontem,
Não me devo
E não me obrigo
E nesta coerência
Não repito nunca nada do que digo.
O filme não leva a lado nenhum
Por este caminho
Por cada degrau
Onde acento o pé
Á minha cegueira
Acrscentava o sonho
E o risco,
Naquilo que se traduz
A que chamo confiança
Ao fim n um quadro
O som profundo
Do pincel que parto
E que tão belos regalos
Os oferecidos pela minha, com amor defendida
Incerteza
E que doces imagens
Estas que não correm o meu perigo.
A uma tradução precisa
Ao que não defendo nada
Estão lá.
E neste amor que não controlo
Entrego-lhe o que é deles
Neste cruzamento, nesta tla
Estes aqui reunidos
Apresentam-se hiper-fotograficos
Como significados associados,
sem correrem perigo,
uma descrição perfeita
do que não se vê.
E ao convite deste estado
encontram-se aqui
livres do controlo
Da consciência
De um cridor
Que não quer errar.
O BAILADO DO ERRO
Pedro al cao
Transfusao de culturas é nosso ganha pão, pequnas ajudas e formamos o belo em 0%.
amor é uma religião. sangue perfeito, sangue é perfeito.
Cartier, João Gaspar, steven Silva , Youenn Merdrignac e Pedro al caos são diferentes do
Abílio Pequeno.
Errar é certo, certo o é
Como viver a vida
O erro é isso mesmo
Não há sentido de não a partida
Tudo é uma conclusão
Pois eu sou o erro
Sou o erro porque vivo
Torno-me no erro maligno ou perfeito
Sim a vida é um erro.
Errar sempre! (grito)
Quem existe é ser errante
Um olhar desmedida?!...
Cai a noite de novo no erro
Publico honestamente e sou o erro
Construtor de pensamentos
Doentios ou não sou eu
E cada um sabe de si
Na calçada de Lisboa estranha
Ou nos becos do meu país
Para não falar do mundo
Éh, a puta de vida é isto.
Pela pátria do erro que sou
Sou assim pobre e feliz
O erro manifestado falado
Pintado, escrito e cantado!
O erro é o que tu pensas
Sonhas e logo és o erro
O erro é viver acima de tudo.
Abílio Pequeno
Cuidado com as pessoas ! o nome do graffit
Agradeco as pessoas que me ajudaram a dissertar mais um rascunho , estou muito agradecido
por todos eles , façam mais coisas destas que deitão pouco a pouco os intocáveis filhos da
pátria , aos intocáveis que tem sempre onde se podem esconder, nas saias da república , vão
ter que fazer outras coisas em seu belo prazer .
Sair de baixo das sais faz bem a todos.
Setembro a queda dos 100%
CartierCuidado com as pessoas :
manifesto do erro.
Terrorismo puro, arte contemporânea .
Terrrorismo puro, 100% de capacidade humana.
Este rascunho tem varias particularidades, quem escreve são pessoas que conheço e
estimo a sua vida , não quero dizer que os sinto como seres perfeitos, até pelo contrario,
aproximei-me pelos defeitos, pedi a sua contribuição em riscos perceptíveis e uma
conclusão unica , 100% é nada e nada é 100%.
Basta avaliar os atentados do 11 de setembro de 2001 para perceber que nos foi dito
que era um atentado perfeito,( 100%) de êxito, atingirão como ninguem tinha
feito antes, a grande potência mundial, visto bem os acontecimentos deve estar
relacionado com a capacidade dos americanos atingirem os paises mais fracos, neste
preciso momento penso que 100% precisa de 0%, , 1%, 2% ou 3%, retira-se uma
conclusão os 100% nao é nada sem as outras percentagens, volto a dizer sem motivo de
preocupação, o que afirmo sem ver o meu lado ético (eu nao sou nada).
Entendo que estava na hora de dizer que na arte não há 100% de nada, simplesmente é
tudo de todos e todos são nada, francamente não se pode ver um artista sem ver um
mundo., Quem estimula uma idea, uma ética ou uma linguagem pictórica não tem força
interior para dizer que não é nada. O rascunho tinha de ser escrito por outros para
entender que não é nada de preocupante errar, a proximação dos objectos ou dos
acontecimentos ou das situações deixa-nos em estados de espírito diferentes, por isso
somos diferentes e fazemos muito melhor as coisas se assumirmos as diferenças.
Cartier é diferente do Jõao Gaspar
Sua grande besta? Frase amavel e verisiosa de amar o proximo. É uma pergunta!
O erro, na sua forma dissertável, apresenta-se bonito. Catita, diria. É a forma popular,
quase ucha. E popularucha, aqui, nada tem de pejorativo.
Este é o erro apontável.
Já o erro nobre, incontornável por natureza mas, talvez por isso, a todos os níveis
justificado e desresponsabilizante, dá asco.
Os erros da História.
Ainda que a História não erre, e sabêmo-lo.
Os erros do cosmos.
Não há uma só forma de estar perante um erro do cosmos.
Mas sabemos estar perante um, quando, por exemplo, um avião cai e mata os trezentos
passageiros a bordo. Não pelas ditas trezentas almas inocentes perdidas (inocentes de
quê?), mas porque a prestação de um serviço falhou. O bilhete foi pago. E se eu pagasse
um bilhete para me deslocar do ponto A para o ponto B, iria recusar-me morrer algures
num ponto intermédio.
Mas o cosmos não pede desculpas quando erra redondamente. Ainda que em linha recta.
Já o erro rasteiro, próximo, entranhado e quotidiano,merece, pede, e vai tendo, um
estudo. E um manifesto.
Haverá, talvez, uma posologia do erro, um modo de administração, seja por via oral,
escrita, etc., uma lista de contra-indicações e de efeitos secundaríssimos, mas o erro háde
estar presente e ninguém vai querer extinguí-lo. mesmo sendo recorrente e
vergonhoso.
Ainda que se sinta um impulso visceral de aplicar um par de chapadas no...
Chamemos-lhe Errante.
Chega.
Falar de modo leviano destas coisas é, manifestamente, um erro.
João Gaspar
Rouxinol proximo, a mim me encanta ,como ninguem o conseguiu fazer até então!
Cartier e João Gasper são diferente do Steven Silva
manifestas erros em tentar errar...e como diria o monsenhor cavaladas, durante a missa,
ao luar da verdade de deus, míssil dominical para controlar a populaça, os hereges e,
principalmente, os erráticos: não te faças parecer com um erro, porque o diabo,
eticamente, gosta de fazer novos amigos, e do erro ao inestético é como do aborto ao
pecado... quanto mais parecer q a distância entre ambos é justa, menos longe estás de
conseguir distância desse teu sempre novo inimigo, que, só porque quer q tu te pareças
com ele, até já se esqueceu que com deus isso também se passa...mas este não quer, nem
precisa de novas amizades (tem amigos eternos e gratos por todo o lado, usando sempre
o mesmo verbo, a mesma palavra, a mesma verdade...portanto todo o convertido não é
nunca diferente de outro qualquer que hoje siga abraçado a si, estejam mortos ou vivos
são da mesma fibra que os anjos) pois bastam-lhe as velhas: a ordem, a fé, e acima de
tudo a cruz que luz sem nunca parar e que encadeia as pessoas em cadeia (e quem não
quer ver é avestruz, ave rara ou caramelo da dissidência), sem nunca errar, sempre e
sempre para todo o eterno sempre, de deus para o homem de verdade, e deste para o
humano a sério, e deste para a humanidade sempre tão querida, e desta para o
humanismo deveras interessante e deste para a cultura democrática antecipadora da paz
natural no mundo e em áfrica, arte sempre nova de diálogo, semelhança e
comunhão....por tudo isto, vai à missa, corta a guedelha, compra umas cuecas e ofereceas
a alguém, demonstrando ao mesmo tempo a tua apetência pelas virgens e o teu
desdém para as comeres... unicamente para a lambidela do homem que se quer a si
mesmo como um homem temente de errar, aquele que em vez de botas lambe xotas de
gaja para não as intoxicar com as drogas e as artes da tesão -- ser membro da
comunidade, activamente a favor da existência de curros de freiras e de carros a bois:
enquanto q a elas serve para lhes sarares as feridas do prazer e da concumitância sexual,
a ti serve para do erro te afastares e das tendências afrodisiacas do punk te esqueceres.
Vivam os novos paladinos do certo concreto!!... precisamos de muitos mais cavalos
como o monsenhor!!...não faças do erro arte, faz antes da arte um erro!!
olha que se não fosse deus, jesus não era nada, ou melhor, nada mais seria que um erro,
um barbudo errático a ser lavado pelo seu primo errante (joão baptista), em vez da
beleza luminosa que ele hoje consegue ser, em vez do farol que cada uma das suas
miniaturas na cruz representam, em vez de servo e espírito do concreto cimento da
história e da religião... seria, hoje, apenas um erro-
Steven Silva
Doi –me tudo mesmo se gostasse de outra pessoa, stop de me queixar, a dor em 100% fazme
calafrios no olhar de gosto, a ressaca toma o seu gosto!
Cartier, João Gaspar e Steven Silva são
diferentes do Youenn Merdrignac, o mal
amado esteve sempre presente em toda a
estância, a simples diferença entre Lisboa e
Paris. O silêncio é sempre uma boa viagem,
não compreendo nada do que ele escreve, o
brilho da águia francesa desenha palavras a
contornar o erro, esta contribuição não tem
tradução esta escrito em françês, quem não
entede nada, há uma coisa a fazer, pode ser
façil de o dizer, vai aprender o que queres ver.

Youenn Merdrignac
Destes metros de palavras sem destino o mundo gira a volta de um gosto de um ser é sempre
bem vindo .
Cartier, João Gaspar, Steven Silva e Youenn Merdrignac são diferentes do Pedro al caos
Errei
Eu erro
Nuca acerto
Não preciso
E ao que vem
Desfocado
Ao passo deste passado
Numa inversão imprevisível
Dou-me por satisfeito
Quando as minhas palavras
Não me levam a nenhum lado
Não vos digo nuca a verdade
E a conclusão a que chego
Não lhe conheço a origem.
Cheguei ontem,
Não me devo
E não me obrigo
E nesta coerência
Não repito nunca nada do que digo.
O filme não leva a lado nenhum
Por este caminho
Por cada degrau
Onde acento o pé
Á minha cegueira
Acrscentava o sonho
E o risco,
Naquilo que se traduz
A que chamo confiança
Ao fim n um quadro
O som profundo
Do pincel que parto
E que tão belos regalos
Os oferecidos pela minha, com amor defendida
Incerteza
E que doces imagens
Estas que não correm o meu perigo.
A uma tradução precisa
Ao que não defendo nada
Estão lá.
E neste amor que não controlo
Entrego-lhe o que é deles
Neste cruzamento, nesta tla
Estes aqui reunidos
Apresentam-se hiper-fotograficos
Como significados associados,
sem correrem perigo,
uma descrição perfeita
do que não se vê.
E ao convite deste estado
encontram-se aqui
livres do controlo
Da consciência
De um cridor
Que não quer errar.
O BAILADO DO ERRO
Pedro al cao
Transfusao de culturas é nosso ganha pão, pequnas ajudas e formamos o belo em 0%.
amor é uma religião. sangue perfeito, sangue é perfeito.
Cartier, João Gaspar, steven Silva , Youenn Merdrignac e Pedro al caos são diferentes do
Abílio Pequeno.
Errar é certo, certo o é
Como viver a vida
O erro é isso mesmo
Não há sentido de não a partida
Tudo é uma conclusão
Pois eu sou o erro
Sou o erro porque vivo
Torno-me no erro maligno ou perfeito
Sim a vida é um erro.
Errar sempre! (grito)
Quem existe é ser errante
Um olhar desmedida?!...
Cai a noite de novo no erro
Publico honestamente e sou o erro
Construtor de pensamentos
Doentios ou não sou eu
E cada um sabe de si
Na calçada de Lisboa estranha
Ou nos becos do meu país
Para não falar do mundo
Éh, a puta de vida é isto.
Pela pátria do erro que sou
Sou assim pobre e feliz
O erro manifestado falado
Pintado, escrito e cantado!
O erro é o que tu pensas
Sonhas e logo és o erro
O erro é viver acima de tudo.
Abílio Pequeno
Cuidado com as pessoas ! o nome do graffit
Agradeco as pessoas que me ajudaram a dissertar mais um rascunho , estou muito agradecido
por todos eles , façam mais coisas destas que deitão pouco a pouco os intocáveis filhos da
pátria , aos intocáveis que tem sempre onde se podem esconder, nas saias da república , vão
ter que fazer outras coisas em seu belo prazer .
Sair de baixo das sais faz bem a todos.
Setembro a queda dos 100%
CartierCuidado com as pessoas :
manifesto do erro.
Terrorismo puro, arte contemporânea .
Terrrorismo puro, 100% de capacidade humana.
Este rascunho tem varias particularidades, quem escreve são pessoas que conheço e
estimo a sua vida , não quero dizer que os sinto como seres perfeitos, até pelo contrario,
aproximei-me pelos defeitos, pedi a sua contribuição em riscos perceptíveis e uma
conclusão unica , 100% é nada e nada é 100%.
Basta avaliar os atentados do 11 de setembro de 2001 para perceber que nos foi dito
que era um atentado perfeito,( 100%) de êxito, atingirão como ninguem tinha
feito antes, a grande potência mundial, visto bem os acontecimentos deve estar
relacionado com a capacidade dos americanos atingirem os paises mais fracos, neste
preciso momento penso que 100% precisa de 0%, , 1%, 2% ou 3%, retira-se uma
conclusão os 100% nao é nada sem as outras percentagens, volto a dizer sem motivo de
preocupação, o que afirmo sem ver o meu lado ético (eu nao sou nada).
Entendo que estava na hora de dizer que na arte não há 100% de nada, simplesmente é
tudo de todos e todos são nada, francamente não se pode ver um artista sem ver um
mundo., Quem estimula uma idea, uma ética ou uma linguagem pictórica não tem força
interior para dizer que não é nada. O rascunho tinha de ser escrito por outros para
entender que não é nada de preocupante errar, a proximação dos objectos ou dos
acontecimentos ou das situações deixa-nos em estados de espírito diferentes, por isso
somos diferentes e fazemos muito melhor as coisas se assumirmos as diferenças.
Cartier é diferente do Jõao Gaspar
Sua grande besta? Frase amavel e verisiosa de amar o proximo. É uma pergunta!
O erro, na sua forma dissertável, apresenta-se bonito. Catita, diria. É a forma popular,
quase ucha. E popularucha, aqui, nada tem de pejorativo.
Este é o erro apontável.
Já o erro nobre, incontornável por natureza mas, talvez por isso, a todos os níveis
justificado e desresponsabilizante, dá asco.
Os erros da História.
Ainda que a História não erre, e sabêmo-lo.
Os erros do cosmos.
Não há uma só forma de estar perante um erro do cosmos.
Mas sabemos estar perante um, quando, por exemplo, um avião cai e mata os trezentos
passageiros a bordo. Não pelas ditas trezentas almas inocentes perdidas (inocentes de
quê?), mas porque a prestação de um serviço falhou. O bilhete foi pago. E se eu pagasse
um bilhete para me deslocar do ponto A para o ponto B, iria recusar-me morrer algures
num ponto intermédio.
Mas o cosmos não pede desculpas quando erra redondamente. Ainda que em linha recta.
Já o erro rasteiro, próximo, entranhado e quotidiano,merece, pede, e vai tendo, um
estudo. E um manifesto.
Haverá, talvez, uma posologia do erro, um modo de administração, seja por via oral,
escrita, etc., uma lista de contra-indicações e de efeitos secundaríssimos, mas o erro háde
estar presente e ninguém vai querer extinguí-lo. mesmo sendo recorrente e
vergonhoso.
Ainda que se sinta um impulso visceral de aplicar um par de chapadas no...
Chamemos-lhe Errante.
Chega.
Falar de modo leviano destas coisas é, manifestamente, um erro.
João Gaspar
Rouxinol proximo, a mim me encanta ,como ninguem o conseguiu fazer até então!
Cartier e João Gasper são diferente do Steven Silva
manifestas erros em tentar errar...e como diria o monsenhor cavaladas, durante a missa,
ao luar da verdade de deus, míssil dominical para controlar a populaça, os hereges e,
principalmente, os erráticos: não te faças parecer com um erro, porque o diabo,
eticamente, gosta de fazer novos amigos, e do erro ao inestético é como do aborto ao
pecado... quanto mais parecer q a distância entre ambos é justa, menos longe estás de
conseguir distância desse teu sempre novo inimigo, que, só porque quer q tu te pareças
com ele, até já se esqueceu que com deus isso também se passa...mas este não quer, nem
precisa de novas amizades (tem amigos eternos e gratos por todo o lado, usando sempre
o mesmo verbo, a mesma palavra, a mesma verdade...portanto todo o convertido não é
nunca diferente de outro qualquer que hoje siga abraçado a si, estejam mortos ou vivos
são da mesma fibra que os anjos) pois bastam-lhe as velhas: a ordem, a fé, e acima de
tudo a cruz que luz sem nunca parar e que encadeia as pessoas em cadeia (e quem não
quer ver é avestruz, ave rara ou caramelo da dissidência), sem nunca errar, sempre e
sempre para todo o eterno sempre, de deus para o homem de verdade, e deste para o
humano a sério, e deste para a humanidade sempre tão querida, e desta para o
humanismo deveras interessante e deste para a cultura democrática antecipadora da paz
natural no mundo e em áfrica, arte sempre nova de diálogo, semelhança e
comunhão....por tudo isto, vai à missa, corta a guedelha, compra umas cuecas e ofereceas
a alguém, demonstrando ao mesmo tempo a tua apetência pelas virgens e o teu
desdém para as comeres... unicamente para a lambidela do homem que se quer a si
mesmo como um homem temente de errar, aquele que em vez de botas lambe xotas de
gaja para não as intoxicar com as drogas e as artes da tesão -- ser membro da
comunidade, activamente a favor da existência de curros de freiras e de carros a bois:
enquanto q a elas serve para lhes sarares as feridas do prazer e da concumitância sexual,
a ti serve para do erro te afastares e das tendências afrodisiacas do punk te esqueceres.
Vivam os novos paladinos do certo concreto!!... precisamos de muitos mais cavalos
como o monsenhor!!...não faças do erro arte, faz antes da arte um erro!!
olha que se não fosse deus, jesus não era nada, ou melhor, nada mais seria que um erro,
um barbudo errático a ser lavado pelo seu primo errante (joão baptista), em vez da
beleza luminosa que ele hoje consegue ser, em vez do farol que cada uma das suas
miniaturas na cruz representam, em vez de servo e espírito do concreto cimento da
história e da religião... seria, hoje, apenas um erro-
Steven Silva
Doi –me tudo mesmo se gostasse de outra pessoa, stop de me queixar, a dor em 100% fazme
calafrios no olhar de gosto, a ressaca toma o seu gosto!
Cartier, João Gaspar e Steven Silva são
diferentes do Youenn Merdrignac, o mal
amado esteve sempre presente em toda a
estância, a simples diferença entre Lisboa e
Paris. O silêncio é sempre uma boa viagem,
não compreendo nada do que ele escreve, o
brilho da águia francesa desenha palavras a
contornar o erro, esta contribuição não tem
tradução esta escrito em françês, quem não
entede nada, há uma coisa a fazer, pode ser
façil de o dizer, vai aprender o que queres ver.

Youenn Merdrignac
Destes metros de palavras sem destino o mundo gira a volta de um gosto de um ser é sempre
bem vindo .
Cartier, João Gaspar, Steven Silva e Youenn Merdrignac são diferentes do Pedro al caos
Errei
Eu erro
Nuca acerto
Não preciso
E ao que vem
Desfocado
Ao passo deste passado
Numa inversão imprevisível
Dou-me por satisfeito
Quando as minhas palavras
Não me levam a nenhum lado
Não vos digo nuca a verdade
E a conclusão a que chego
Não lhe conheço a origem.
Cheguei ontem,
Não me devo
E não me obrigo
E nesta coerência
Não repito nunca nada do que digo.
O filme não leva a lado nenhum
Por este caminho
Por cada degrau
Onde acento o pé
Á minha cegueira
Acrscentava o sonho
E o risco,
Naquilo que se traduz
A que chamo confiança
Ao fim n um quadro
O som profundo
Do pincel que parto
E que tão belos regalos
Os oferecidos pela minha, com amor defendida
Incerteza
E que doces imagens
Estas que não correm o meu perigo.
A uma tradução precisa
Ao que não defendo nada
Estão lá.
E neste amor que não controlo
Entrego-lhe o que é deles
Neste cruzamento, nesta tla
Estes aqui reunidos
Apresentam-se hiper-fotograficos
Como significados associados,
sem correrem perigo,
uma descrição perfeita
do que não se vê.
E ao convite deste estado
encontram-se aqui
livres do controlo
Da consciência
De um cridor
Que não quer errar.
O BAILADO DO ERRO
Pedro al cao
Transfusao de culturas é nosso ganha pão, pequnas ajudas e formamos o belo em 0%.
amor é uma religião. sangue perfeito, sangue é perfeito.
Cartier, João Gaspar, steven Silva , Youenn Merdrignac e Pedro al caos são diferentes do
Abílio Pequeno.
Errar é certo, certo o é
Como viver a vida
O erro é isso mesmo
Não há sentido de não a partida
Tudo é uma conclusão
Pois eu sou o erro
Sou o erro porque vivo
Torno-me no erro maligno ou perfeito
Sim a vida é um erro.
Errar sempre! (grito)
Quem existe é ser errante
Um olhar desmedida?!...
Cai a noite de novo no erro
Publico honestamente e sou o erro
Construtor de pensamentos
Doentios ou não sou eu
E cada um sabe de si
Na calçada de Lisboa estranha
Ou nos becos do meu país
Para não falar do mundo
Éh, a puta de vida é isto.
Pela pátria do erro que sou
Sou assim pobre e feliz
O erro manifestado falado
Pintado, escrito e cantado!
O erro é o que tu pensas
Sonhas e logo és o erro
O erro é viver acima de tudo.
Abílio Pequeno
Cuidado com as pessoas ! o nome do graffit
Agradeço as pessoas que me ajudaram a dissertar mais um rascunho , estou muito agradecido
por todos eles , façam mais coisas destas que deitão pouco a pouco os intocáveis filhos da
pátria , aos intocáveis que tem sempre onde se podem esconder, nas saias da república , vão
ter que fazer outras coisas em seu belo prazer .
Sair de baixo das sais faz bem a todos.
Setembro a queda dos 100%
Cartier